RCN12
Planalto Studio
Publicite

Presidente retira os poderes do Primeiro-Ministro por alegada violação da Constituição

O presidente da Somália, Mohamed Abdullahi Mohamed, anunciou nessa quinta-feira que retirou os poderes executivos do primeiro-ministro Mohamed Hussein Roble, por alegada violação da constituição transitória.

Por Teresa Cabari em 17/09/2021 às 07:55:48
Presidente retira os poderes do Primeiro-Ministro por alegada violação da Constituição

Presidente retira os poderes do Primeiro-Ministro por alegada violação da Constituição

Em um comunicado, o gabinete do presidente popularmente conhecido naquele país como o "Farmajo" explicou que retirou especialmente os poderes do Primeiro-Ministro demitir e nomear funcionários, o que é considerado ser o mais recente acontecimento em uma violenta disputa que mergulhou o país em uma nova crise.

"O primeiro-ministro violou a constituição transitória, então seus poderes executivos foram retirados ... especialmente seus poderes para remover e nomear funcionários, até que a eleição seja concluída".

No comunicado, o Chefe de Estado justificou a sua decisão dizendo que o Primeiro-Ministro tinha tomado "decisões imprudentes que podiam abrir caminho à instabilidade política e de segurança" e que não tinha efectuado "nenhuma consulta e colaboração com o presidente.

Os dois homens, que têm um relacionamento tenso há vários meses, se enfrentaram duas vezes nos últimos dez dias por causa de demissões e nomeações para cargos importantes de segurança.

No dia cinco de setembro, Mohamed Roble demitiu o chefe da Agência de Serviços de Inteligência e Segurança, Fahad Yasin, colaborador próximo de Farmajo, por ter conduzido a investigação sobre o desaparecimento inexplicado de uma de suas oficiais, Ikran Tahlil.

O presidente anulou a decisão "ilegal e inconstitucional" e nomeou um substituto de sua escolha após promover Fahad Yasin a conselheiro de segurança nacional.

Na semana passada, depois de acusar o presidente de "obstruir" a investigação e chamar suas decisões de uma "perigosa ameaça existencial" ao país, o primeiro-ministro substituiu o ministro da segurança. O presidente também determinou que a decisão não estava de acordo com a Constituição.

No entanto, outros membros políticos e analistas consideram que "o confronto entre seus dois principais líderes corre o risco de perturbar a pouca estabilidade de que goza o país, ao mesmo tempo que desvia os políticos de outras prioridades".

Comunicar erro
Restaurante

Comentários

Banner_Animado_Planalto_Studio