RCN12
Planalto Studio
Publicite

Guineenses comemoram remoção de Alpha Conde pelos militares

Os cidadãos Guineenses-Conacrinos saíram as ruas nesse de Conacri na tarde desse domingo para comemorar e parabenizar as tropas daquele país a detenção e a retirada do poder o presidente Alpha Conde após horas de pesados ??tiros.

Por Teresa Cabari em 06/09/2021 às 08:39:43

Os Oficiais das forças especiais guineenses disseram neste domingo que capturaram o chefe de estado Alpha Condé, assumiram o controlo de Conacri e "dissolveram" as instituições, em um golpe que pode significar a aposentadoria de um veterano da política africana, cada vez mais isolado.

Os soldados amotinados no país da África Ocidental anunciaram na televisão estatal que o governo havia sido dissolvido em um aparente golpe de estado.

No entanto, os cidadãos Conacrinos mostra-se felizes por supostamente verem-se livre daquele que eles consideravam "ditador" durante os seus três mandatos desde 2010.

Em declarações ao Africa News, alguns cidadãos deram o seu testemunho face ao seu descontentamento com relação ao governo de Alpha Condé.

"Estamos aqui para mostrar a nossa alegria porque sofremos muito ao longo do tempo. Com o tempo, Deus nos mostrou alguém que é mais poderoso do que ele. Acima de tudo, é paciência, temos sido pacientes ", disse um residente de Conacri.

"Estou muito, muito feliz, saímos pela alegria, por isso estamos muito, muito felizes com o que ouvimos, o que vimos", disse outro morador.

As fronteiras do país foram fechadas e sua constituição foi declarada inválida no anúncio lido em voz alta na televisão estatal pelo coronel do exército Mamady Doumbouya, que disse aos guineenses: "O dever do soldado é salvar o país".

Entretanto, a Organização das Nações Unidas bem como outros países sobretudo a França condenaram o golpe, além da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO)que condenou e ameaçou as tropas guineense-Conacrinos de sanções caso o presidente não fosse libertado.

De referir que os ministros e governos foram convocados para uma reunião nesta segunda-feira, e segundo os oficiais militares, caso não compareçam, serão sancionados.

A Guiné segue agora países como Zimbábue, Mali e Sudão, onde os militares participaram directamente da tomada de poder.

Comunicar erro
Restaurante

Comentários

Banner_Animado_Planalto_Studio