RCN12
Planalto Studio
Publicite

Mastercard Foundation faz doação de 1,3 mil milhões de dólares para ajudar África no combate à covid-19

A Mastercard Foudation (Fundação Mastercard) junta-se ao esforço global para garantir o acesso e distribuição equitativos da vacinas nos continente africano.

Por João Alberto em 08/06/2021 às 10:46:54

A Fundação Mastercard anunciou na terça-feira, dia 8 de Junho, uma doação de 1,3 mil milhões de dólares como 'boost' ou impulso à resposta africana à pandemia. De forma junta ao apelo global dos especialistas em saúde pública que defendem a vacinação a tempo dos países mais pobres do mundo, muitos deles, no continente africano.

"Garantir o acesso e distribuição equitativos de vacinas em toda a África é urgente", disse Reeta Roy, CEO da Fundação, em um comunicado, e citada pelo The Washington Post. "Esta iniciativa visa valorizar todas as vidas e acelerar a recuperação económica do continente", acrescentou Roy.

O financiamento, que será distribuído ao longo de três anos em parceria com os Centros Africanos para Controle e Prevenção de Doenças, destina-se a ajudar a adquirir vacinas para mais de 50 milhões de pessoas do continente africano, melhorar seu sistema de produção e distribuição de vacinas e fortalecer o sistema público de saúde.

A promessa da Fundação - no que é uma das maiores doações privadas feitas na luta contra a pandemia - surge no meio a um clamor crescente sobre a falta de fornecimento de vacinas para os países mais pobres. Embora os Estados Unidos e outros países desenvolvidos tenham fornecido, pelo menos, uma dose da vacina para a maioria de seus residentes, muitos países em desenvolvimento não devem ter vacinas suficientes até, pelo menos, 2022.

A Fundação Mastercard, fundada em 2006, e que conta com cerca de 39 mil milhões de dólares em activo, tem desempenhado um papel crescente no aumento da rede de segurança da África durante a pandemia, o que já incluiu uma outra doação de 40 milhões de dólares para a compra de testes.

O CDC África ajudará a supervisionar a distribuição de fundos em todo o continente para uma série de serviços, incluindo preparação de recursos humanos e do seu envolvimento com comunidade; aprovisionamento dos medicamentos; e programa de apoio à vacinação.

"Garantir a inclusão no acesso às vacinas e desenvolver a capacidade da África de fabricar suas próprias vacinas não é bom apenas para o continente, é o único caminho sustentável para sair da pandemia e chegar a um futuro seguro para a saúde", John Nkengasong, diretor do Africa CDC, disse em um comunicado.

A União Africana e o CDC da África no ano passado estabeleceram como metal vacinar 60% da população do continente até o final de 2022, estimando que o esforço custaria cerca de 16 mil milhões de dólares.

Até agora, menos de 2% das pessoas em África receberam uma dose de uma vacina contra o coronavírus, a média global é de 11,6 %. Quando se chega à América do Norte ou à Europa essa média é de 40%.

"Acho que esse é exactamente o tipo de parceria que esperávamos ver - e da qual precisamos muito", disse Krishna Udayakumar, que lidera o Centro de Inovação em Saúde Global da Duke University. "Precisamos colocar de milhões e milhões de dólares em jogo para adquirir vacinas, mas também para melhorar a capacidade de entrega".

Amanda Glassman, vice-presidente executiva do Centro de Desenvolvimento Global , com sede em Washington , elogiou a decisão de direcionar o financiamento através do CDC da África. "É bom ver que [o financiamento] está a ser feito através de uma instituição regional, especialmente quando vemos os casos a aumentar na África Subsaariana", disse Glassman.

A Mastercard é um dos parceiros do GAVI, o organização global de vacinas, a quem já entregou 100 milhões de dólares.

.

Fonte: The Washington Post

Comunicar erro
Restaurante

Comentários

Banner_Animado_Planalto_Studio