RCN12
Planalto Studio
Publicite

Serviços de inteligência em desacordo sobre quem recai mérito do caso Lussaty

O Serviço de Inteligência Militar reivindica que a iniciativa é deles e que ocorreu logo em 2018, e que só em 2020, a investigação passou para a esfera civilm para o Serviço de Inteligência e Segurança do Estado (SINSE), liderado pelo General Miala.

Por Redacção em 08/06/2021 às 05:19:50
Órgãos de inteligência em desacordo sobre quem recai mérito do caso Lussaty

Órgãos de inteligência em desacordo sobre quem recai mérito do caso Lussaty

De acordo com o Novo Jornal, que cita uma fonte do Serviço de Inteligência Militar, foi este órgão que, em primeira instância, em 2018, suspeitou e seguiu os rastos de desvios de várias somas em dinheiro que se vinham realizado na Casa de Segurança do Presidente da República, e que só em 2020, a investigação atingiu a fase de competências meramente civis, e daí ter passado para a esfera do SINSE - Serviço de Inteligência e Segurança do Estado.

Em face disso, os operacionais do Serviço de Segurança e Inteligência Militar não entendem, e não gostam nem um pouco, que seja o SINSE, sob liderança do general Fernando Garcia Miala, que esteja a receber o mérito de toda essa operação que culminou com a detenção do major Pedro Lussaty, bem como a apreensão de vários milhões em kwanzas, dólares e euros, além de várias viaturas top de gama e imóveis.

A operação, que ficou conhecida como "Operação Caranguejo", é tida como a principal causa de diversas exonerações na Casa de Segurança do Presidente, inclusive a do general Pedro Sebastião, antigo ministro de Estado e chefe da Casa de Segurança do Presidente da República e responsável pela segurança do chefe de Estado.

Devido ao sucesso da operação, e ainda segundo o Novo Jornal, o general Miala, director do SINSE, tido como o ideólogo da operação, reforça assim a sua posição junto do presidente João Lourenço, e junta a seu lado o general Francisco Furtado, que, em 2006, recusou-se a executar uma ordem verbal para despromoção do general Miala, que, na altura, era suspeito de tentativa de um golpe de Estado contra o então Presidente da República, José Eduardo dos Santos.

Fonte: Novo Jornal

Comunicar erro
Restaurante

Comentários

Banner_Animado_Planalto_Studio