RCN12
Planalto Studio
Publicite

Zona de Cafunfo continua a ser palco de mortes e desaparecimento de pessoas

Os activistas da vila mineira de Cafunfo, localizada na Luanda Norte, denunciaram recentemente a morte e desaparecimento dos mineiros vulgo "garimpeiros" na região e pedem a intervenção do governo para tratar a violência das empresas de segurança.

Por Teresa Cabari em 07/05/2021 às 13:56:32
Zona de Cafunfo continua a ser palco de mortes e desaparecimento de pessoas

Zona de Cafunfo continua a ser palco de mortes e desaparecimento de pessoas

Segundo o activista social, Jordan Muacambiza, morador da referida região diamantífera, em declarações à Lusa, a zona tem sido palco de incidentes desde o passado mês de Janeiro, tendo registado vários mortos, sendo que em Abril, começaram os actos de violência contra os "garimpeiros", causando o desaparecimento dos mesmos nas suas zonas de "garimpo" onde praticam as actividades de exploração de diamantes de forma ilegal.

De acordo com o activista e defensor dos direitos humanos, houve pelo menos dois mortos cujos corpos foram recuperados pela família e outros cinco estão desaparecidos há mais de uma semana.

Jordan Muacambiza reiterou que um dos garimpeiros tinha sido torturado até a morte, e supostamente atirado a uma vala, tendo sido encontrado dias depois já em estado de decomposição. O mesmo atribui as responsabilidades destas crueldades à Sociedade Mineira do Cuango, conhecida como Kadyapemba.

No mesmo diapasão, o arcebispo de Saurimo, José Imbamba, também denuncia as mortes naquela região e diz que não se vai calar perante as atrocidades que atentam a vida das pessoas.

"Em Cafunfo, ainda continuam a morrer pessoas, nas zonas de exploração diamantífera, portanto, os seguranças das empresas que defendem as minas ainda continuam a massacrar pessoas" afirmou o líder católico.

Entretanto, o director da Kadyapemba, Sociedade Mineira daquela região, Hélder Carlos, confirmou a morte dos dois garimpeiros e dois feridos nos pés, pelos seguranças da referida empresa.

Hélder Carlos justificou ainda que, as atitudes dos seguranças da Sociedade Mineira ocorreram em legítima defesa, depois dos garimpeiros terem reagido com violência a abordagem feita por estes.

Caso a situação continue, o activista Jordan Muacambiza afirmou que poderão organizar uma manifestação para chamar atenção das entidades de direito sobre as respectivas mortes.

Fonte: Camunda News

Comunicar erro
Restaurante

Comentários

Banner_Animado_Planalto_Studio