RCN12
Planalto Studio
Publicite

Privatização da Sonangol pode ser decisiva para impulsionar a produção petrolífera

Um artigo publicado num site especializado dá conta que a petrolífera angolana poderá vender até 30% da sua participação pode ser essencial para a sua efectiva reestruturação.

Por Administrador em 23/04/2021 às 11:01:02

Angola chegou a ser o principal produtor de petróleo em África, rivalizando de perto com a Nigéria, agora é o terceiro, depois, justamente da Nigéria e da Líbia.

Meia década após a queda de preços, que começou em 2014, Angola aposta agora em reviver sua indústria petrolífera e impulsionar sua economia dependente do petróleo, que está em recessão há cinco anos consecutivos.

Além de tentar atrair investimentos em petróleo, Angola pretende vender até 30% da petrolífera estatal Sonangol no próximo ano, depois de reestruturar a empresa para criar mais transparência e eliminar a corrupção.

A participação na Sonangol é estimada em cerca de 6,4 mil milhões, disse Baltazar Miguel, membro do conselho da Sonangol, à Bloomberg.

A privatização parcial da Sonangol, bem como uma participação na empresa nacional de diamantes Endiama, fazem parte de um programa de privatização muito mais amplo.

Os lucros da venda até o final de 2022 em quase 195 empresas estatais, incluindo Sonangol, Endiama, bancos e companhia aérea nacional TAAG, devem reforçar as finanças do governo e reanimar a economia.

Angola lutava para se recuperar da crise anterior do petróleo (queda dos preços em 2015-2016), quando o choque de 2020 atingiu o mercado petrolífero, os preços do petróleo e os planos de recapitalização das empresas do sector.

A economia de Angola, na qual a produção de petróleo e as actividades de apoio representam 50% do produto interno bruto e cerca de 89% das exportações, entrou em recessão em 2015. Cinco anos depois, a situação mantém-se.

A produção de petróleo de Angola estava em declínio mesmo antes do acordo da OPEP+ ter reduzido produção, já que o produtor africano estava a competir em projetos de desenvolvimento de menor custo com outras bacias de águas profundas, como o Brasil — e ultimamente a Guiana —, e aí vinha perdendo espaço.

Em 2015, a produção de petróleo bruto de Angola era de 1,8 milhão de barris por dia (bpd). Esse número caiu para 1,247 milhão de bpd em 2020.

Angola precisará de investimentos estrangeiros e governamentais para descobrir até 57 bilhões de barris de petróleo bruto até 2025, de acordo com uma nova estratégia energética revelada no ano passado.

ANPG (Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis), o regulador, emitiu uma previsão para a produção de petróleo a partir de campos existentes, que mostrou que, após atingir o pico em 2008 em quase 2 milhões de bpd, a produção de petróleo de Angola diminui continuamente à medida que os campos de petróleo amadurecem, para pouco mais de 500.000 bpd até 2028, isto se nenhuma nova descoberta for feita.

As grandes empresas europeias Total e ENI continuam suas atividades de perfuração e desenvolvimento em Angola, mas isso pode não ser suficiente para uma grande reviravolta na produção de petróleo, uma vez que campos de petróleo maduros estão esgotas. No início deste mês, a ENI anunciou uma nova descoberta de petróleo leve nas águas profundas de Angola, buscando oportunidades de exploração próximas à infraestrutura existente, o que sugere que pretende manter os custos de desenvolvimento baixos.

"Um ambiente regulatório estável e, sabiamente, usar os recursos do programa de privatização em curso pode ser a melhor aposta de Angola para reanimar sua economia doente, que não vê crescimento desde 2015", pode ler-se ainda no site da especialidade Petróleo.

Este ano, a economia de Angola deve se expandir, embora em apenas 0,4%, pela primeira vez em seis anos, disse o Fundo Monetário Internacional (FMI) em sua Perspectiva Económica Regional para a África Subsaariana no início deste mês.


Fonte: Petróleo (site)

Comunicar erro
Restaurante

Comentários

Banner_Animado_Planalto_Studio