RCN12
Planalto Studio
Publicite

Rússia continua a atacar a Ucrânia com mísseis e os G7 pressionam Moscovo com um limite do preço do petróleo

O acordo permite que o petróleo russo seja enviado para outros países usando navios-tanque do G7 e da União Europeia, seguradoras e instituições de crédito, somente se a carga for comprada abaixo do limite de 60 dólares por barril. Moscovo já disse que não cumprirá a medida, mesmo que tenha de cortar a produção.

Por CSP em 05/12/2022 às 11:13:11
DR

DR

A Ucrânia disse, nesta segunda, que os ataques da Rússia prosseguem, com casas destruídas a Sul e a infra-estruturas energéticas, no norte, tudo isto numa nova rodada de ataques com mísseis.

Enquanto isso, os países ocidentais estão a tentar contrariar a capacidade que a Rússia tem de investir na guerra impondo um tecto ao preço do petróleo russo que segue por via marítima.

Os alertas aéreos soaram em toda a Ucrânia e as autoridades pediram aos civis que se abrigassem de mais uma vaga de ataques de mísseis russos, incontáveis, desde que a Rússia invadiu o país, em 24 de Fevereiro.

As forças russas, nas últimas semanas, atacaram essencialmente, as instalações de energia ucranianas, enquanto enfrentavam reveses no campo de batalha. Em Kyiv, a capital, a população voltou aos abrigos enquanto as anti-áreas voltaram a entrar em acção. As autoridades pedem para que não se subestime os alarmes.

Entretanto, esta segunda-feira, entrou um vigor o tecto de 60 dólares o barril para o petróleo bruto russo transportado por via marítima. É a mais recente medida ocidental para punir Moscovo. A Rússia é o segundo maior exportador de petróleo do mundo.

O acordo permite que o petróleo russo seja enviado para outros países usando navios-tanque do G7 e da União Europeia, seguradoras e instituições de crédito, somente se a carga for comprada abaixo do limite de 60 dólares por barril.

Moscovo já disse, naturalmente, que não cumprirá a medida, mesmo que tenha de cortar a produção.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, considera, ainda assim, que 60 dólares por barril ainda é um preço elevado, e que mesmo nesse valor, a Rússia pode continuar a alimentar o seu esforço de guerra, no caso, a guerra contra a Ucrânia.

Nos mercados asiáticos o petróleo russo estava a ser vendido a 79 dólares o barril esta segunda-feira, quase um terço acima do preço máximo, segundo dados da Refinitiv e estimativas de fontes do sector.


Comunicar erro
Restaurante

Comentários

Banner_Animado_Planalto_Studio