RCN12
Planalto Studio
Publicite

Capricho, insensatez e insensibilidade mantém o cadáver do antigo presidente sequestrado, aprisionado e congelado

As palavras deste t√≠tulo são de um comunicado lido na abertura do principal jornal da Televisão P√ļblica de Angola (TAP), que, acreditamos, foi produzido pelo Executivo.

Por Cisola Silva Pontes em 08/08/2022 às 17:08:15
(DR) Arquivo

(DR) Arquivo

Quando se assinala um m√™s sobre a morte de José Eduardo dos Santos, a TPA leu, na abertura do notici√°rio das 20:00, um comunicado, certamente do Governo porque não foi indicada a fonte, que acusa "dois dos seus muitos filhos" de José Eduardo dos Santos de fazerem do cad√°ver "de um chefe de Estado, que est√° sequestrado, aprisionado e congelado durante um m√™s devido ao capricho, à insensatez e à insensibilidade".

"Desde a primeira hora o Executivo angolano tudo tem feito no sentido de garantir um funeral de Estado ao engenheiro José Eduardo dos Santos com todas as honras devidas ao seu estatuto e também à sua dimensão", começou por ler o jornalista Ernesto Bartolomeu, na abertura do jornal.

"De Cabina ao Cunene, o Governo ressalta o comportamento e a atitude patriótica e c√≠vica dos angolanos que acorreram em massa durante sete dias aos lugares de velório organizados para homenagear o antigo presidente da Rep√ļblica", prosseguiu o jornalista.

"A despeito destes sinais e engajamento do Estado angolano - num caso certamente inédito no mundo - o cad√°ver de um chefe de Estado est√° sequestrado, aprisionado e congelado durante um m√™s devido ao capricho, à insensatez e à insensibilidade, sem limites de dois dos seus muitos filhos", concluiu, desta forma, a leitura do comunicado Ernesto Bartolomeu.

Depois de um razo√°vel sil√™ncio, o Executivo aponta o dedo a dois de oito filhos de José Eduardo dos Santos como os respons√°veis pela incapacidade notória de fazer um funeral de Estado ao antigo presidente.

Comunicar erro
Restaurante

Coment√°rios

Banner_Animado_Planalto_Studio