RCN12
Planalto Studio
Publicite

Professores universitários põem fim à greve a pedido dos bispos católicos

Os professores universitários decidiram pôr fim à greve iniciada em Janeiro, confiantes que através de uma intermediação dos bispos católicos o Governo entenda e resolva os seus problemas.

Por CPS em 23/05/2022 às 09:04:44
DR

DR

A medida foi anunciada hoje pelo secretário-geral do Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Superior (Sinpes), Eduardo Peres Alberto, dando conta que os docentes "acataram os apelos da Igreja Católica e dos respectivos bispos".

Os dirigentes católicos "reconhecem a razão dos professores e recomendam ao Governo a resolver o problema, mas apelam para a situação social da maioria dos estudantes das instituições públicas do ensino superior", muitos "pertencentes a famílias pobres", disse hoje à Lusa o dirigente sindical.

A greve "por tempo indeterminado" dos professores universitários teve início em 3 de Janeiro e já havia registado uma primeira interrupção, de um mês, em Abril. A nova interrupção tem início hoje e termina a 24 de Outubro.

Eduardo Peres Alberto disse que os professores responderam ao apelo dos bispos católicos porque admitem que os estudantes "estão a ser prejudicados" com a paralisação das aulas.

"Nós somos da sociedade angolana, somos cidadãos e esse apelo da igreja (católica) é fundamental e porque, também, reconhecemos que os estudantes não têm culpa", disse Peres Alberto.

"Este é mais um exercício de boa-fé, do lado do sindicato, para que não digam que há um aproveitamento político e esperamos também o bom senso por parte das autoridades", rematou o líder do Sinpes.

Um aumento salarial, melhores condições laborais, pagamento da dívida pública e eleições dos corpos directivos das instituições públicas do ensino superior constituem algumas das reivindicações dos professores universitários.

Um aumento salarial de 6% foi a proposta do Presidente João Lourenço aos professores que, no entanto, foi rejeitada em assembleia geral, onde estes aprovaram uma proposta salarial de 2,6 milhões de kwanzas para o professor catedrático e 1,5 milhões de kwanzas para o professor assistente estagiário.

O próximo ano académico 2022/2023 tem início previsto para Outubro. Altura em que os professores podem voltar à greve, mas já depois do período eleitoral.

Fonte: Lusa

Comunicar erro
Restaurante

Comentários

Banner_Animado_Planalto_Studio